Criar e acreditar na equipa

Por o 22 Dezembro 2017

A motivação das equipas de trabalho para conseguir alcançar a otimização dos seus resultados é, além de uma tarefa fundamental na gestão empresarial, a oportunidade de alcançar objetivos de desenvolvimento profissional e executivo que transcendem toda a organização, convertendo-se na definição de uma parte importante da cultura da empresa, o desenvolvimento do talento.

Se falamos de equipas, não podemos basear a chave do desenvolvimento das mesmas e dos seus elementos apenas em termos de sucessão de fases, uma vez que a atitude das pessoas é um dos fatores que, em muitos casos, limita profundamente o começo, assim como o desenvolvimento de novas alternativas de melhoria. O comportamento dos elementos das equipas também está intimamente associado às perceções dos indivíduos que fazem parte das mesmas e ao conceito de contágio social, que determina os modos e as formas de atuação desses indivíduos individualmente e, por extensão, o resultado da equipa.

Detetar e atuar sobre os elementos da equipa que podem afetar negativamente o resultado global, pode ser uma tarefa complicada por si só – mesmo que se consiga detetar qual a pessoa responsável – é possível estabelecer diferentes modelos de trabalho de forma a garantir a sua integração, conforme publicado pela Harvard Business Review, no artigo “Como trabalhar com alguém que não é um jogador de equipa”.

O coaching de equipa é uma ferramenta que resolve a análise da equipa, destaca as diferentes perceções dos seus elementos, melhora a definição de missão e alinha todos os membros.

Trata-se de um processo de acompanhamento da equipa que se concentra na otimização da interação entre os seus membros, com o objetivo de aperfeiçoar os processos de trabalho em conjunto, através da melhoria na comunicação, participação, análise de problemas, tomada de decisão e resolução de conflitos que são gerados pela mesma. Trabalha com a equipa como um sistema auto-organizado e dinâmico com uma visão específica, não apenas como uma coleção de indivíduos, com relações e interações que determinam o funcionamento do grupo.

Além disso, de acordo com esta abordagem de trabalho, são ainda definidos importantes benefícios para os membros da equipa, tais como:

  • Desenvolve a capacidade de reflexão e consciencialização nas pessoas.
  • Potencia a capacidade de autoaprendizagem e melhoria contínua.
  • Desenvolve um conhecimento tácito das pessoas.
  • Estabelece um equilíbrio entre reflexão e a ação.
  • Incentiva a motivação intrínseca dos membros da equipa.
  • Melhora a relação profissional-laboral-pessoal.

Para que haja desenvolvimento nas equipas e uma definição concreta do que podem fazer em conjunto, é necessário – mais do que a definição de etapas de trabalho que visam a melhoria – um modelo de ação que deverá ser aplicado em várias situações: o coaching de equipa. Este apresenta-se como um elemento que reúne as capacidades dos membros, alocando-lhes valor e relacionando-os, fazendo com que haja um comprometimento de todos os elementos – que desta forma trabalham tendo em conta um objetivo comum: o sucesso!


Autor: Pedro A. Corraliza

Para saber mais sobre este tema, recomendamos a formação CEGOC Systemic Team Coaching Programme - Level 1

/5 - Voir tous les avis

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Avatar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva o Blog

For security reasons, JavaScript and Cookies must be enable in your browser to subscribe