Mitos sobre o coaching

Por o 13 Agosto 2018

O coaching é usado por um número cada vez maior de organizações, com o objetivo de desenvolver aptidões que uma equipa requere no cumprimento de objetivos estratégicos.

Contudo, por vezes, o coaching é praticado de maneira indevida, produzindo um resultado oposto ao desejado. Tal ocorre devido à falta de informação acerca do que é e como se coloca o coaching em prática, já que existem inúmeros mitos associados à metodologia.

 

 

Um dos principais mitos é acreditar que “o coaching pode ser feito por qualquer um”.

Na verdade, um bom coach deve ser credenciado e possuir, no seu currículo, um cargo sénior, de supervisão ou chefia.

Para fazer coaching, é necessário um conjunto de competências que nem todos possuem ou estão dispostos a desenvolver. De facto, um dos primeiros passos será garantir que tem competências comprovadas na área do coaching. Para o efeito, consulte os cursos certificados de Coaching Executivo, disponibilizados pela Cegoc.

 

Um outro mito em torno deste tema é afirmar que “o coaching serve para levar as pessoas a fazer aquilo que queremos, sem que elas se apercebam”.

A isto chamamos de manipulação e, quando o coaching é praticado dessa forma, trata-se de uma prática de liderança inadequada.

 

“Coaching é algo que demora muito tempo” é outro dos mitos mais comuns.

Um dos principais benefícios do coaching prende-se com o facto de ser uma metodologia com resultados a longo-prazo.

Um bom coach integra as suas capacidades de coaching em qualquer conversa, sob a forma de ensinamento. Isto é, cria recursos e aptidões noutras pessoas, permitindo que elas, no futuro, sejam capazes de ultrapassar obstáculos que hoje não conseguem. Visto desta forma, o coaching é extremamente eficiente, e está associado a um ótimo índice tempo/benefício.

 

Um outro mito está relacionado com os objetivos do coaching, já que muitos acreditam que “a missão do coaching é ajudar as pessoas a gerir as suas fraquezas”.

Todos temos pontos fracos, incluindo o colaborador mais produtivo de uma organização. O foco do coaching deve ser evidenciar, não os pontos fracos, mas sim os pontos fortes de cada membro de uma equipa, e da equipa no seu todo.

 

“O coaching é algo que se faz a alguém”, é outro dos mitos que aqui referimos.

Fazer algo a outros, implica uma posição hierárquica ou um favor. Por outro lado, o coaching associa-se a uma troca de pensamentos e ideias, de igual para igual.

O coaching é potencializado quando ambas as partes contribuem com respetivos pensamentos, ideias e opiniões para determinada conversa.

 

Outro mito comum, é referir que “o coaching se trata de uma técnica ou ferramenta”. Na realidade, o coaching é aquilo que nós quisermos que seja.

Quando o coaching se encontra intrínseco nas capacidades de liderança de alguém, torna-se num estilo de vida. Não é uma ferramenta, mas sim um modo natural de agir no dia-a-dia.

 


 

Todos estes mitos constituem uma barreira à prática de coaching. Informe-se sobre a realidade e os benefícios desta metodologia, capaz de contribuir positivamente para a sua vida pessoal e profissional.

Para saber mais sobre este tema, recomendamos a formação CEGOC Programa de formação de Coaches profissionais - Nível Inicial

/5 - Voir tous les avis

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Avatar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Avatar

Prof. Doutor Alberto Carneiro Desde 2 anos

Artigo muito interessante que deveria ser proporcionado a muitos que têm ideias superficiais e conhecimentos demasiado “ligeiros” de coaching.
Prof. Doutor Alberto Carneiro (24.08.2018)

Resposta
Bruna Ferreira

Bruna Ferreira Desde 2 anos

Obrigada pelo comentário tão positivo, Prof. Doutor Alberto Carneiro. 🙂
Esperamos que continue a acompanhar a nossa partilha de conhecimento aqui no blog de Coaching.

Resposta
Avatar

Jose Gerson Filipe da Cunha Desde 1 ano

Ola .Sou Gerson Cunha . Sou de origem indiana ,naturalizado Portugues . Nos ultimos anos residi em Angola .Onde ganhei alguma experiencia em liderar grupos unificados e cumplices . Visto que me punha no mesmo patamar que eles .Com isso construir grupos unidos e com os mesmos objectivos . Em 19 anos Geri cerca de 6 establecimentos ligados a hotelaria e restauracao . Explorei um restaurante ,devido a crise que asola o pais encerrei . De momento encotro-me em Portugal ,precisamente em Portimao . Estou a trabalhar como empregado de mesa .Tenho um projecto dinamico de comida e derivados de outros productos de origem Indiana, precisamente de Goa . Que penso nomeala por ” BOCA LOCA ” Foi o nome que dei a minha roulote em Angola e quando estive um tempo a fazer pizzas em casa . ( O erro no ( LOCA ) É propositado para chamar a atencao do erro . Apresento-me desta forma ,por ter investigado sobre coaching .E assim analizar: Que nesses anos em Angola exerci coaching ,sem ter nocao que seria essa tecnica . Estarei sempre interessado em obter mais informacoes e tecnicas de coaching .Achei muito interessante e constructiva a sua explanaçaoĺ .Sem mais de momento .J.C “BOCA LOCA”

Resposta
Bruna Ferreira

Bruna Ferreira Desde 1 ano

Olá, José! 🙂
Obrigada pelo seu comentário e pelo seu interesse na área de Coaching. Para verificar os percursos de aprendizagem que a CEGOC tem ao nível de Coaching, poderá aceder ao nosso site, em: https://www.cegoc.pt/curso-formacao/coaching Esperamos também que continue a acompanhar as novidades no nosso Blog de Coaching.

Resposta

Subscreva o Blog

For security reasons, JavaScript and Cookies must be enable in your browser to subscribe