Sem se dar conta

Por o 18 Maio 2018

O coaching é um processo marcado pelo desenvolvimento de novas ações baseadas no compromisso, na responsabilidade e na autoaprendizagem, entre outros fatores fundamentais. Por esse motivo, é o coachee quem realiza o esforço, o trabalho e o sucesso, pelo que deve vivê-lo, senti-lo e entende-lo, para que seja realmente uma ferramenta que possa utilizar no futuro.

 

 

Tendo em conta tudo o que foi dito anteriormente, o fim do processo é quando o coachee tem consciência de ter conseguido alcançar os seus objetivos por conta própria, o coach é apenas o guia que faz com que o coachee faça a análise de si mesmo, tendo em conta as suas barreiras e limitações.

 

Chega a ser “alucinante” ser o observador de um processo de mudança pessoal, por muitos motivos, mas pessoalmente, considero que o principal é comprovar como o coachee passa de um extremo ao outro sem se dar conta de que está ali alguém. No fundo, trata-se de guiar sem marcar o rumo, de ajudar a ver sem ensinar nada, de ajudar a alcançar mudanças sem decidir as ações que levam a elas, mas sem deixar “pegadas”, esse é o trabalho mais importante do coach.

 

Sempre que o coachee começa o seu caminho, rodeado de incertezas e se cruza com uma nova ferramenta que começa a utilizar – e em muitos casos – procurando encontrar problemas em vez das possibilidades, até se dar conta de que é ele o único que utiliza essa ferramenta e que com ela consegue desenvolver novas habilidades, condutas e crenças e, dessa forma, alcançar os seus objetivos de evolução pessoal, até esse momento, ninguém lhe disse como fazê-lo. Ele foi apenas um guia e mero observador do processo, sem tomar partido.

 

Como coach, considero que a melhor recompensa do meu trabalho num processo de coaching, é que o coachee, no final, não se dê conta do meu contributo no processo e seja consciente de que terá sido unicamente um trabalho obtido por mérito próprio. Essa é a melhor prova de que o trabalho do coach não deixou pegadas e de que o coachee saberá utilizar a nova ferramenta por si mesmo sempre que o necessite. Não é altruísmo, é coaching.

 


Autor: Pedro A. Corraliza

Para saber mais sobre este tema, recomendamos a formação CEGOC Programa de formação de Coaches profissionais - Nível Inicial

/5 - Voir tous les avis

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Avatar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva o Blog

For security reasons, JavaScript and Cookies must be enable in your browser to subscribe